A Fundadora

Érika Vilela nasceu em Montes Claros, no Brasil, em três de novembro de 1976. De família humilde, foi a primeira de três irmãs. Seus pais não eram católicos, mas a Providência de Deus lhe permitiu desde muito cedo a graça do batismo e experiências profundas com o Cristo e seu Evangelho. Muitas delas somente seriam compreendidas depois, após uma leitura espiritual da mística que envolvia sua vida, desde seu nascimento.
Foi uma criança graciosa, amante dos livros e dos estudos. Mesmo sem condições econômicas suficientes, teve a oportunidade de estudar em um colégio Marista, importante formação para que, anos depois, abraçasse com vigor sua catolicidade. Destacava-se entre os alunos da classe, tanto pelo sucesso das notas como pelas habilidades gerais, como dança e dramaturgia.
Enquanto crescia diante dos homens, diante de Deus não era diferente. Amava tudo e a todos, sempre se sensibilizando pelo sofrimento alheio. Vários acontecimentos marcaram a vida da menina que ia se tornando adolescente. Alguns deles até cômicos, como quando levava esmoleres para banhar-se e almoçar em sua casa. Por não avisar com antecedência, o espanto dos pais diante da inesperada visita a deixava muitas vezes em alguns “apuros” assim que os irmãzinhos de rua iam embora…

Junto aos sinais precoces de um amor universal pelos pobres que marcaria toda sua vida, crescia também sua fragilidade física. As crises envolvendo sua saúde eram comuns e aumentavam em intensidade e frequência, fatos que acontecia em diversos momentos com entre os colegas, amigos e familiares. Esses eventos, associados à falta de recursos financeiros lhe permitiu, durante toda sua trajetória de vida, comungar de uma singular intimidade com a cruz e o sofrimento.
Aos 14 anos de idade teve a primeira experiência com a Renovação Carismática Católica, em um grupo de oração na cidade de Belo Horizonte. Após um momento de profunda graça do Espírito Santo, ela e toda sua família se converteram, naquele dia, à fé católica.
A partir de então, sua vida se transformou. Aos 15 anos recebeu o sacramento do Crisma e também comungou pela primeira vez. Nunca mais Érika se afastaria da Eucaristia, que se tornou o centro de sua vida e, mais tarde, o ápice de sua vocação.
Iniciou seu apostolado de cura e pregação. Suas palestras e colocações, sempre inflamadas, junto à piedosa prática embasada no amor a Jesus Cristo e aos pobres começaram a despertar em outros jovens o interesse por aquela forma de viver. Mal imaginava Érika que em alguns anos seria mãe espiritual de muitos filhos e filhas no Carisma que o Senhor lhe infundira, desde sempre.
Fundou o grupo de oração Filhos de Maria em 1995, momento em que Alysson, hoje nosso co-fundador, estava presente. A missão daquele jovem, hoje seu esposo, foi e ainda se faz marcante naquele e incontáveis momentos do Carisma que ali nascia. O grupo foi crescendo e com ele o desejo de vários membros de, como Érika, abraçarem uma vida de radical adesão ao Evangelho. Depois de algumas experiências com outros carismas da Igreja e sob a direção espiritual do cônego Sebastião de Castro (padre Tiãozinho), funda em 1998 a Comunidade Filhos de Maria, na então diocese de Montes Claros. Dom Geraldo, O.Praem, então bispo Diocesano, com seu coração de pastor, acolheu aquela iniciativa com amor, abertura e generosidade. Pela graça do Espírito, naquele mesmo ano o Papa São João Paulo II proferia da Praça de São Pedro, por ocasião da vigília de Pentecostes, o inesquecível discurso aos Movimentos e Novas Comunidades, tratando-os, profeticamente, de uma nova primavera da Igreja. Um sinal carinhoso de Deus para a moça que encontrara, naquela vocação específica, o sentido único de sua vida e missão.

Então, o que dizer de Érika, nossa fundadora?

Uma mulher jovem e madura, comprometida com o Evangelho e com uma santa disponibilidade à Vontade de Deus. Com grande docilidade ao Espírito Santo, Érika reúne em si a maternidade e direção espirituais, sem deixar o coração de criança e o jeito alegre e descontraído de ser na vida uma irmã entre os irmãos. Como esposa, desde 2003, responde com fidelidade ao estado de vida ao qual o Senhor lhe chamou.
Uma mulher de coração missionário, sempre à escuta da voz da Igreja e obediente a Ela, aberta a ir aonde for preciso para anunciar Jesus e encontrá-Lo no irmão. Com este mesmo apelo, abraçou em 2006 os estudos da medicina, de modo a conformar-se ainda mais ao apostolado central do Carisma Filhos de Maria a serviço dos mais pobres entre os pobres.
Por fim, se nos fosse possível definir em uma palavra nossa fundadora, diríamos: “uma mulher apaixonada por Deus!” Sua amizade com Ele a tornou intimamente unida ao Seu coração de modo que podemos ler em sua vida aquilo que São Paulo escreve aos Gálatas: “Estou crucificado com Cristo. Vivo, já não eu, mas Cristo vive em mim” (Gal 2, 20). Sua existência encontra sentido na oferta total da própria vida ao Amor Misericordioso e seu desejo é amar até a loucura, até as últimas consequências. E quando perguntamos a ela o que diria ao Mestre se Ele se lhe apresentasse hoje, face a face, a resposta é categórica: se eu tivesse mil vidas, mil vidas te daria, Jesus!

DSC_0079-