Como fazer da recaída uma oportunidade de fortalecimento

O segredo de Maria nos aprofunda no amor de Deus
20 de junho de 2017
Como ajudar um dependente químico
20 de junho de 2017

Como fazer da recaída uma oportunidade de fortalecimento

É preciso, o quanto antes, erguer-se para não perder tempo, não perder o ritmo

Com essa etapa da entrevista motivacional, chegamos ao fim de nossa série, trabalhada em diferentes temas a cada semana. No encontro anterior, falamos da fase de manutenção, na qual a pessoa procura se manter no novo comportamento, permanecendo abstinente. Hoje, abordaremos algo importante e, muitas vezes, assombroso para o dependente: a recaída.

A primeira coisa que deve estar clara para aquele que está em processo de mudança comportamental é que os deslizes e recaídas são comuns e, até mesmo, esperados nessa trajetória. Sobretudo para a família, é importante que não se encare esse momento como um fracasso ou ruína, mas uma oportunidade de fortalecimento de aspectos que poderiam ser melhor abordados e vividos durante o tratamento. Quando o indivíduo sofre uma recaída, ele retorna para alguma das etapas do caminho motivacional abordadas anteriormente: a pré-contemplação, a contemplação ou a ação.

Nesse momento, é importante o apoio e o encorajamento do dependente, reforçando, com ele, as estratégias que anteriormente foram traçadas e, se necessário, trilhar novos caminhos, começando de novo, às vezes, a partir de um outro ponto, com uma nova abordagem. É comum que o desânimo e o sentimento de culpa alcancem grandes proporções nesse cenário, o que requer do usuário e da família um olhar de esperança, fé e confiança mútua.

No consultório, ao acolher um paciente em recaída, procuro identificar, com ele, as situações relacionadas àquela queda. De forma concreta, auxilio-o a identificar onde, com quem e, sobretudo, a motivação que o levou a retornar o uso do álcool ou de outras drogas, apesar de sua firme decisão inicial pela abstinência. Aqui é imprescindível que ele encontre o motivo que o fez cair e, principalmente, o sentido para se reerguer.

É comum que a autocondenação ou a culpabilidade externa, sobretudo familiar, atrasem a saída dessa fase, pois pioram a autoestima do dependente, em vez de incentivar a autoconfiança. O remorso ou o apontamento dos erros são muito diferentes da responsabilização do paciente, que é algo importante e deve acontecer dentro de uma abordagem correta. O momento é de retomada de rumos e para isso a condução deve ser cuidadosa e qualificada, dentro de uma perspectiva motivacional.

Como qualquer dança, existem os tropeços e até mesmo as quedas. Mas isso não significa que a música se silencia ou que os passos não podem ser retomados. Pelo contrário! É preciso, o quanto antes, erguer-se para não perder tempo, não perder o ritmo.

A Palavra de Deus ensina que é preciso perdoar 70×7 vezes. Perdoar aos outros, perdoar a si mesmo também. Atirar pedras ou deixá-las sobre nós é como fechar-se em um sepulcro de desconfiança, medo e baixa autoestima. Levantar-se sempre que cai significa romper a porta do sepulcro da morte, deixar a pedra rolar e a vida, outra vez, vencer!

Por: Érika Vilela, médica, pregadora e fundadora da Comunidade Filhos de Maria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *